Conversando com um amigo há algum tempo atrás ele me disse que não tomava mais refrigerante e não sentia falta alguma. Eu lhe respondi que também não tomava mais refrigerante há vários anos, mas, eu sentia falta. Não sempre, mas de vez em quando. Ele então me respondeu que chegaria o momento em que eu não sentiria mais falta também. E isso de fato ocorreu. Em dezembro de 2018 completei 4 anos sem beber refrigerante, não sinto nem um pouquinho de vontade de beber. É incrível como aquilo que começa como uma disciplina difícil depois de algum tempo se torna uma rotina. E sobre isso podemos analisar vários aspectos da vida. Nos disciplinamos para algo e daqui a algum tempo nos acostumamos de tal forma que não precisamos mais nos esforçar para fazer ou deixar de fazer. É claro que existem algumas coisas que fogem à regra, como substâncias viciantes ou comportamentos psicóticos, mas vamos nos ater apenas às coisas comuns da vida, partindo do exemplo do refrigerante. 

Em um ambiente de trabalho alguns comportamentos começam como um esforço dificílimo e demoramos semanas para incorpora-los a nossa rotina. Há os que demoram meses, pois são de alguma forma contrários à nossa natureza e forma de ver a vida. Há também os que não fazem parte de nosso conhecimento, precisamos estuda-los, compreende-los e isso leva tempo. E há também os que não aprovamos, por mais que estejam certos, mas não para nós. Preferiríamos outros comportamentos, outras ideias, outras estratégias. Então, para serem incorporados à nossa rotina, se tornam um desafio de disciplina, de aceitação e até de humildade: fazer o que não queremos fazer, mas temos que fazer. 

A disciplina leve ou dificílima gera adaptações. E essas depois de algum tempo se transformam em rotinas que fazemos sem perceber. Mas há um detalhe aqui: não nos acostumamos para sempre. Quantas e quantas vezes passaremos pelo processo de adaptação e em alguns casos antes de conclui-lo teremos que iniciar outros processos. Duas lições básicas aqui: A primeira é a dinâmica e diversidade da adaptação. Para algumas coisas mais fácil, para outras mais difícil. Em alguns momentos demorada e em outros rápida. A diversidade da adaptação deve ser respeitada em nós e nos outros. Cada um tem o seu tempo, e, portanto, um processo de adaptação. A segunda lição é a da constante mudança e constante necessidade de disciplina. É necessária alguma nova adaptação? Então iniciemos o processo, seja rápido ou demorado. Não cabe a nós rejeitarmos o novo desafio porque já nos acostumamos ao antigo. Ou reagirmos com má vontade só de imaginarmos o quanto será difícil passar por mais um processo de adaptação. Ou até mesmo julgarmos os que tem mais dificuldade que nós em algum processo de adaptação. Adaptações são necessárias, tanto as fáceis como as difíceis. Exigirão nossa disciplina. E ao mesmo tempo nossa conscientização de que tendo nos adaptado a algo ainda teremos que fazer novas adaptações e manter a disciplina em muitas outras situações que estarão ao nosso redor.

2+