Por Guilherme de Amorim Ávilla Gimenez

“Todos os humanos se esforçam para serem mais fortes do que realmente são, melhores do que realmente são e mais do que realmente são. Isso não é ruim… mas simplesmente não funciona” (Henry Cloud)

Conheço muitas histórias de superação, esforço pessoal e coragem. De vez em quando me inspiro nos personagens descritos nessas histórias. Tento imita-los. E, de vez em quando me frustro muito ao perceber que apesar de usar as mesmas ferramentas que eles utilizaram, simplesmente não consigo os mesmos resultados. Por quê? A resposta que tenho elaborado é a seguinte: cada um tem uma história própria e sua superação pessoal não o levará exatamente ao mesmo resultado de outras pessoas. Em outras palavras: não há um padrão de superação. Alguns se esforçarão ao máximo de seu potencial e atingirão determinados objetivos e outros, também se esforçando ao máximo, não conseguirão chegar a esses mesmos objetivos. Cada um tem sua própria história, perfil, força, garra e potencial. O máximo de um não é o máximo do outro. A superação de um não levará a mesma realidade da superação do outro. É por isso que gosto muito da frase de Henry Cloud: não é assim que as coisas funcionam. Não se mede o desempenho dessa forma. Não podemos declarar vitória ou derrota levando em conta apenas a ferramenta do esforço. Temos que levar em conta outras coisas também.

A história de superação de cada pessoa é única. Ninguém tem a mesma história. E por isso, ninguém terá o mesmo resultado do outro. Reconhecer essa verdade é algo muito libertador. É maravilhoso se esforçar ao máximo estando liberto de preconceitos e objetivos traçados em função da história de outra pessoa. Podemos nos inspirar em outros, mas não nos igualar a eles. Levando em conta a superação o máximo que conseguimos é traçar um objetivo que para nós seja desafiador – e até quase impossível – e persegui-lo com todas as nossas forças, desenvolvendo nossas habilidades e aptidões e exercitando nossa fé. Concentre-se em você e no que você pode fazer. Leve em conta sua história e lembre-se de onde veio e se desafie a chegar mais longe. Trace metas ousadas para você, ainda que não sejam tão ousadas se vistas pelos outros. Só um detalhe: não seja preguiçoso. Não se baseie pelo mínimo esforço possível. Nada de querer grandes resultados fazendo poucos esforços. A sua superação será única, mas deverá ser uma “elevação acima de si mesmo” – como diz o significado da palavra. Não espere menos do que isso: ir além de onde já chegou. E, a partir daí, siga firme e em frente, vá até os seus limites e os supere e se torne também uma história de esforço pessoal e coragem que inspirará outros a superarem seus próprios limites!

Guilherme de Amorim Ávilla Gimenez

prgimenez@prgimenez.net

www.prgimenez.net

7+