(Por Guilherme Gimenez)

Culpa. Aprendi que esse é um sentimento muito comum durante a pandemia. Ou nos sentimos culpados, ou procuramos por um culpado. A culpa é praticamente um alívio, pois quando encontramos um culpado – ainda que sejamos nós mesmos – damos uma explicação àquilo que nos inquieta. A frase “a culpa é do fulano…” parece tirar um peso de nossos ombros. Mas, tal alívio pode ser uma grande ilusão. Ele em vez de tirar um peso de nossos ombros pode na verdade se transformar em peso extra para nós ou peso para os outros. O melhor mesmo é ter a coragem de admitir que para determinadas situações não há culpados mas sim envolvidos. A culpa pela morte, pelo vírus, pelo desemprego e por outros temas envolvidos com a pandemia não vai resolver e nem aliviar o peso da situação dura que todos enfrentamos. Estamos envolvidos com algo que foge aos padrões e portanto não constrói culpados mas sim envolvidos. O sofrimento por si já é o bastante, a culpa só será um acréscimo à dor. “Agora, portanto, já não há nenhuma condenação para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1).

3+